Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Casa da Cabrita

A Casa da Cabrita

Muita coisa, surpreendentemente. Inscrevi-me em aulas de fitness da universidade porque:

a) têm um preço muito decente.  Aquele barato motivador do género "Epá, se eu me fartar disto, há coisas piores do que perder x€". Mas continua a ser dinheiro portanto a fantasia do "NÃO VOU FALTAR A NENHUMA AULA" mantém-se.

b) esta cabrita vai para a Grécia daqui a menos de um mês e gostava de não ir com excesso de bagagem (perceberam a piada subtil? Eu tenho fé que sim).

Inscrevi-me em Zumba e numa coisa que se chama Body Shape. E hoje lá fui eu para a aula de Body Shape. Expectativas? Nenhumas, porque o site estava todo em alemão. Esperanças? Ser algo girinho, mexer o corpinho, mas nada de loucuras. A aula é toda em alemão, todo um vocabulário que eu não percebo. Observando as coleguinhas percebi que precisava de um step. Pronto, ok, sobrevivo a subir e a descer isto 50 mil vezes. Depois, vejo-as a ir buscar caneleiras de 3kg e pesos de 2kg...... já falámos melhor. Não dei parte fraca. Devia.

Começamos num marchar ritmado que nem soldados. Música a bombar a altos berros, que a malta que faz desporto é toda surda. Depois a professora começa a guinchar umas coisas em alemão. E foi aí que reparei que era a única não falante de alemão. Aí não, nos 10 milisegundos depois em que a turma toda foi para um lado e eu para o outro. Tranquilo, ninguém reparou, quem nunca se enganou uma vez? No meu caso todas as vezes. Até na porcaria dos alongamentos comecei pela perna errada.

Eu já sabia que os alemães eram competitivos, mas tinha impressão que numa aula de fitness não havia grande espaço para competições. Se não há! Se eu estava mais agachada (provavelmente de dor) que a minha colega do lado, era ver a moça a calcular matematicamente qual era o ângulo que o seu bumbum tinha que fazer para estar mais agachada que eu. Acho que a pobre coitada ainda não compreendeu a minha vantagem. Com um rabinho como o meu, é a gravidade que faz o trabalho todo, não os músculos da perna. 

Houve um momento de compaixão em que a professora tentou-me explicar-me algo. Tão querida, notou que eu não entendi nada do que ela disse. O que fez? Falou mais devagar e aos berros. Porque isso realmente era o que ia tornar tudo compreensível, não é verdade? "PORQUE. SE. EU. FALASSE. COM. ELA. ASSIM. DE. CERTEZA. QUE. PERCEBIA. TUDO."

Parte mais gira disto tudo, a professora fazia muito discursos e eu, que sei mais verbos do que vocabulário, fui pescando coisas do género (sendo Pi é tudo aquilo que eu não percebo): "Pi vamos pi pi e pi, pi relaxar o pi, não devem sentir o pi. Aconselho a pi pi e pi." Eu admito que houve todo um exercício em que não me doeu nada, mas senti o sofrimento dos colegas. Ou sou muito forte, ou inventei todo um exercício muito mais agradável de fazer. Sempre fui muito idiota. 

E retirei isto tudo só da primeira aula de Body Shape. Promete. 

 

8 comentários

Comentar post