Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Casa da Cabrita

A Casa da Cabrita

Depois de 5 meses com uma net assim muito limitadinha (pobre coitada) resolvi fazer um contracto de gente grande e arranjei net decente. Problema? Demora cerca de 4 semanas a ser instalada. Quando me disseram isso ao inicio não percebi bem o porquê, mas confiei no sistema, deveria fazer algum sentido! Não fez. 

A aventura começa logo com o facto da companhia não ter nada de nada em Inglês. Assinar um contracto já é assustador, quanto mais um em alemão. Tive que pedir ao rapaz para ir traduzindo, a parte mais importante traduzi eu com o telemóvel e a coisa fez-se. Depois, seria só esperar. Recebi um SMS a dizer que um técnico iria a minha casa dia X às Y horas. Tudo perfeito, não é? Pareciiiiiiia.

Um dia antes da visita do técnico falei com uma amiga, que já tinha passado pela mesma experiência, e ela disse-me que tinha ido buscar o router à loja antes da visita do técnico. Cheirou-me logo a esturro. No dia da visita, com o tradutor do telemóvel a bombar, estive a ler tudo o que dizia nos papéis que assinei, tudo o que dizia no site e descobri que o meu router já tinha sido entregue por correio. Oi? Começou o mini pânico à procura do router. Bater a portas dos vizinhos, perguntar pelo router, tudo sem sucesso. Eventualmente encontrei no site uma descrição mais detalhada do vizinho a quem foi entregue o router: "Children's Shop". Ora que diabos, não existe nenhuma loja de crianças no meu bairro. Fui falar com a senhora responsável pela residência, tinha muita fé que ou tivesse recebido o router ou soubesse onde raios era a loja de crianças. Sem sucesso. Contudo deu uma informação muito valiosa: o senhor chinês do quiosque asiático sabe tudo do bairro, portanto deveria saber onde existia a tal loja. Aliás, ela até o definiu como mafioso. 

Lá fui eu, com pouca esperança, falar com o senhor do quiosque. Um senhor amoroso, muito querido, mas com um alemão horrível. Eu apercebi-me que ele sabia onde era a loja, mas não estava a perceber patavina do que ele estava a dizer. A minha cara deve ter transparecido a confusão porque ele ligou ao filho para vir traduzir. Resultado, o rapaz disse-me que a loja era a duas estações de tram e que não era uma loja assim por dizer. Contudo, o senhor não se lembrava o que era. Será que esta situação poderia ficar mais complicada/esquisita/estranha?

Não tinha nada a perder, meti-me no tram e fui descobrir a loja que não era loja mas que se chamava loja. E encontrei o quê? Um quartel de bombeiros com um mini mini mini sinal a dizer "Loja Solidária". E o meu router estava lá 

Voltei a correr para casa para receber o técnico. Coloquei o router em cima da minha cama, todo lindo e perfeito, com as instruções ao lado. Varri o chão, lavei a loiça, preparei tudo para receber o senhor. Ele entrou, fez umas coisas estranhas, saiu, fez mais coisas estranhas e disse adeus. Nem 5 minutos foram. Nem tocou no router. Mas que raio? Escusado será dizer que tive que ser eu e o tradutor (Obrigada Google!) a montar o router e a entender como se ligava a net.

E é assim que eu fico esgotada logo às 12h na Alemanha. (E também é assim que o senhor chinês ganhou uma cliente durante os próximos meses!)

1 comentário

Comentar post